domingo, 8 de outubro de 2017

The End is Now


"The End is Now (The Apocalypse Triptych 2)", de John Joseph Adams, Tananarive Due, Scott Sigler, Annie Bellet, Charlie Jane Anders, Seanan McGuire, Sarah Langan, Nancy Kress, David Wellington, Ken Liu, Elizabeth Bear, Ben H. Winters, Megan Arkenberg, Jonathan Maberry, Jake Kerr, Daniel H. Wilson, Will McIntosh, Jamie Ford, Desirina Boskovich, Hugh Howey, Robin Wasserman

Opinião:
Nesta sequela da antologia The End os Nigh, podemos ler algumas continuações para contos anteriormente apresentados, mas também hsitórias isoladas de outros autores.
Aqueles que são continuações, e por consequência terão uma terceira parte na antologia The End has Come, na grande parte das vezes, pareceram-me curtos e incompletos. Fica-se mesmo com a  sensação de que se tem que ler o próximo, o que por lado é bom mas por outro não.

"Herd Immunity", de Tananarive Due
Surpreendentemente, enquanto lia o conto não consegui associá-lo ao anterior "Removal Order", embora agora que o sei até faz algum sentido. Contudo a escrita e a relação que me atraiu na primeira parte desta história está ausente aqui. Não me consegui ligar ao homem que a protagonista encontra na estrada, embora a desolação me tenha imerso no mundo em ruínas. No entanto o fim voltou a surpreender-me. É tipo um murro no estômago que não é totalmente inesperado mas ainda assim nos afecta como se o fosse.

"The Sixth Day of Deer Camp", de Scott Sigler
Como sempre este autor consegue descrever o frio e as condições extremas de uma forma que chega a arrepiar. A neve e o isolamento são coisas que vi em todos os trabalhos do autor que já li e ele passa uma imagem muito viva. Contudo ainda não consigo distinguir os homens que estão neste acampamento. Parecem-me quase todos ter motivações semelhantes. Isto até ao momento em que eles entram na nave alienígena e aí começam as divisões. Gostei muito das cenas que se seguiram e do que pode vir na conclusão.

"Goodnight Stars", de Annie Bellet
Sendo que a primeira parte desta história foi uma das minhas favoritas do volume anterior, eu já contava que também este fosse bom. Aqui conhecemos a família de uma das astronautas e é fácil ligarmo-nos à sua filha e ao seu marido. Uma bela escrita e um conto agradável.

"Rock Manning can't hear you", de Charlie Jane Anders
Desta vez as experiências de vida e escolhas "profissionais" de Rock Manning levam a que comece a duvidar do que escolheu para o seu futuro. E no mesmo passo acelerado e escrita meia condutora da insanidade destas personagens, chegamos a um fim de conto surpreendente e que deixa no ar a promessa de uma sequela.

"Fruiting Bodies", de Seanan McGuiree
Depois de perder a esposa, a protagonista luta por proteger a filha do fungo que tudo consome. A sua obssessão com as limpezas é-lhes vital mas o tempo está contra elas. Adorei ver como mãe e filha se relacionavam e quando a filha lhe desobedeceu ... foi doloroso de ver o desenrolar, mas ao mesmo tempo fascinante. A narativa cativou-me do início ao fim, tal como a protagonista.

"Black Monday" de Sarah Langan
Esta história não é a mais original mas a escrita manteve-me agarrada e graças às personagens, que são bastante normais, o meu interesse manteve-se. A perspectiva científica da decisão final deles é grande. Sobreviverão graças aos cyborgs?

"Angels of the Apocalypse", de Nancy Kress
Passado vários anos desde "Pretty soon four horseman are going to come riding through", do volume anterior, neste encontramos as duas irmãs crescidas e separadas pelas suas visões, num mundo muito mais cruel e dado a extremos. As crianças que nasceram sem malícia, incapazes de violência nem que seja para se defenderem, mantém-se agora, adultas, à margem da sociedade e tentam viver pacificamente mas há sempre quem queira destruir isso.

"Agent Isolated", de David Wellington
O homem por detrás de uma lei-marcial cruel e que condena milhares a algo pior que a morte, vê-se também ele prisioneiro das regras que ajudou a criar, e depois de se juntar a grupo de sobreviventes e fugir a inúmeros perigos, onde julga haver salvação, acaba apenas por descobrir que em condições extremas o mantra "um por todos e todos por um" nem sempre é uma realidade. Adorei o desfecho deste conto. Cruel mas humano.

"The Gods will not be slain", Ken Liu
Na continuação do conto da antologia anterior, este sim mostra-nos eventos brutais da história, embora tudo se passe um pouco longe das personagens principais, que acabam por estar isoladas e protegidas do caos do mundo. Sinceramente não gostei tanto deste conto, embora as reviravoltas fossem muito boas. E aquele final ... não gostei mas só poderei ter uma confirmação mesmo quando ler a terceira parte, na próxima antologia.

"You've never seen everything", de Elizabeth Bear
Este conto, que narra a longa viagem de uma mulher de volta à sua família, após o surto de uma febre que mata grande parte da população, ambienta-nos bem naquilo em que a sociedade se tornou depois de uma doença debilitante isolar grande parte da sociedade. A protagonista passa quase todo o tempo sozinha e isso dá-lhe tempo para pensar em muita coisa. O final foi algo surpreendente e funcionou muito bem para o mundo e a personagem. No entanto penso que fez falta um pouco mais de tensão.

"Bring them Down", de Ben H. Winters
Após a morte voluntária de todos os habitantes do mundo, restam apenas dois e um deles ainda escuta as palavras de Deus, que vão envenenando-o aos poucos.
À medida que as personagens vão explorando o seu mundo, eu conseguia visualizá-lo de forma muito clara. A escrita cativa.

"Twilight of the Music Machines", de Megan Arkenberg
Há um ar de mistério em algumas das personagens e a tensão do mundo em colapso sente-se em cada uma das suas acções e dos seus diálogos. Muitos escolhem alienar-se dos acontecimentos, inebriando-se e afogando-se em drigas, outros escondem-se dos seus erros.
As personagens são a melhor parte desta história. Ricas e vulneráveis.

"Sunset Hollow", de Jonathan Maberry
Uma história envolvente e comovente de dois irmãos que têm de fugir de casa, do seu pai tomado pela loucura. Um deles é um adolescente e o outro ainda um bebé e têm de se escapar dos loucos que estão por todo o lado. É uma história frenética e intensa. Gostei muito!

"Penance", de Jake Kerr
Aqui vemos o outro lado da lotaria feita para ecolher quem iria ser transportado para zonas mais seguras, o lado de quem tinha de dar as más notícias a quem não era escolhido. E como isso afecta essas mesmas pessoas, tanto ou mais do que aqueles que não foram escolhidos para serem salvos.

"Avtomat", de Daniel H. Wilson
Este conto é um pouco diferente dos outros, não só porque se passa na Rússia, mas também porque não é bem um relato dos acontecimentos do apocalipse, mas antes do que o antecedeu. Sinto que teria feito muito mais sentido este conto estar no volume anterior.
Fora isso gostei do ambiente e da ideia de, no tempo dos czares russos, a alquimia ter sido usada para criar algo para além de humano. No entanto não me consegui relacionar com as persoangens nem com as suas motivações, tanto no caso dos humanos como dos avtomates.

"Dancicing with Batgirl in the land f Nod", de Will McIntosh
O antecessor deste conto havia sido um dos meus favoritos da antologia anterior, e este não desiludiu. Narra a história de persongens diferentes mas no fundo trata os mesmos temas: o afastamento humano perante uma catástrofe para a qual ninguém estava preparado, e como por vezes encontrar a pessoa certa pode mudar essa atitude.

"By the hair of the Moon", de Jamie Ford
Esta foi uma das premissas que mais me marcaram. O mundo sabia que o fim estava  a chegar à muito tempo e dessa forma a sociedade mutou-se para pior, para a degradação humana, onde o esclavagismo reina e as drogas tomam conta das ruas. pelo menos destas ruas. A protagonista deste conto teve uma vida difícil mas é forte e luta para sobreviver. E consegue, mas o que a espera depois pode ser bem pior.
A descrição da destruição está muito viva.

"To Wrestle not against Flesh and blood", de Desirina Boskovich
A protagonista assume o papel de mãe dos seus irmãos quando o mundo não acaba como estava prometido. O afastamento do seu pai e a descida da sociedade para o conflito interno, leva-a a ter de tomar decisões difícieis para manter a família unida e viva.
Gostei muito da prosa.

"In the Mountain", de Hugh Howey
Um grupo de pessoas que sabia que o fim estava a chegar, preparou-s epara sobreviver, tendo de mentir à família e aos amigos para também os conseguir salvar. E quando o pior parece já ter passado e eles só tem que esperar pelo momento certo para regressar, descobrem que afinal não tinham toda a informação necessária e que o seu regresso à "terra" não será tão célere quanto anteciparam. Como poderão assegurar a sua sobrevivência?
A história e o conceito estão excelentes, embora a protagonista não seja a mais interessante, o relacionamento dela com a família acaba por dar vida ao enredo.

"Dear John", de Robin Wasserman
Através de uma série de cartas a ex-amantes, vamos conhecendo uma personagem feminina numa seita dominada por um homem ainda criança. A escrita é rica e dá vida a esta protagonista e à suas experiências. Sentimos a sua dor, a sua angústia e resognação. Muito bom!

Sinopse (inglês):
Famine. Death. War. Pestilence. These are the harbingers of the biblical apocalypse, of the End of the World. In science fiction, the end is triggered by less figurative means: nuclear holocaust, biological warfare/pandemic, ecological disaster, or cosmological cataclysm.
But before any catastrophe, there are people who see it coming. During, there are heroes who fight against it. And after, there are the survivors who persevere and try to rebuild.
THE APOCALYPSE TRIPTYCH will tell their stories.
Edited by acclaimed anthologist John Joseph Adams and bestselling author Hugh Howey, The Apocalypse Triptych is a series of three anthologies of apocalyptic fiction. THE END IS NIGH focuses on life before the apocalypse. THE END IS NOW turns its attention to life during the apocalypse. And THE END HAS COME explores life after the apocalypse.
THE END IS NIGH is about the match. THE END HAS COME is about what will rise from the ashes. THE END IS NOW is about the conflagration. 

Maresia e Fortuna + As Impertinências do Cupido - divulgação

Andreia Ferreira, autora da trologia "Soberba", lançou recentemente um novo romance na sua nova editora, a CoolBooks.

No próximo dia 20 de Outubro, Andreia Ferreira e Ana Gil Campos irão apresentar os seus livros, em forma de tertúlia, na Biblioteca Lúcio Carveiro  da Silva, em Braga, às 18h30.
Apareçam para conhecer as autoras de "Maresia e Fortuna" e "As Impertinências do Cupido"


Sinopse de "Maresia e Fortuna": 
O que é o verdadeiro amor?
Para Eduardo, de 17 anos, é a mãe e o irmão mais velho, Simão. Este, porém, tem um segredo que o empurra para a bebida e Eduardo receia que o seu irmão se suicide, tal como o pai de ambos o fizera, dez anos antes.
Júlia acredita que passou ao lado de um grande amor. Em busca da verdade que mudará a sua vida, regressa à vila de Apúlia para reconstruir um passado de que não se consegue recordar.
O caminho desta mulher perturbada está prestes a cruzar-se com o de Eduardo, trazendo à tona segredos, paixões agressivas e remorsos intemporais, com consequências devastadoras sobre a vida da outrora pacata vila piscatória.
Uma alegoria moderna de um clássico, onde os humanos se destroem sem precisarem de intervenção divina.
Comprem "Maresia e Fortuna" na Wook (também disponível em ebook).



Sinopse de "As Impertinências do Cupido"
No Itaim Bibi, um bairro nobre de São Paulo, tudo parece sereno, entregue às rotinas diárias. Sob esta aparência tranquila, porém, as vidas íntimas dos seus moradores são atravessadas por inúmeras aventuras.
Ao longo deste livro, somos convidados a espreitar à  janela de cada personagem, partilhando os seus segredos e confidências, sorrindo com as suas conquistas e suspirando com as suas frustrações.
Num registo divertido, Ana Gil Campos traça um retrato plausível e cru do que são as relações amorosas nos dias de hoje, bem mais complexas e problemáticas do que um olhar menos atento consegue captar.

Comprem "As Impertinências do Cupido" na Wook (também disponível em ebook).

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Clube de Leitura de Braga - Outubro 2017

Este sábado, dia 7 de Outubro, o Clube de Leitura de Braga reune-se mais uma vez.
As leituras recoendadas deste mês são:
- "A Velha e o Papagaio "+ "Mrs. Dalloway", de Virgina Woolf;
- "O Homem que Passeia", de Jiro Tanaguchi.



Convido-vos a todos a visitarem-nos, a partir das 15 horas, na Bertand de Braga (Liberdade Street Fashion) para falarem destes e de outros livros.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Fórum Fantástico 2017 - divulgação


Está quase aí o Fórum Fantástico de 2017!
Se puderem deslocar-se à Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro, de 29 de Setembro a 1 de Outubro, aproveitem!
Este ano eu não vou poder estar presente mas quando participei gostei muito, especialmente porque pude, finamente, conhecer muitos autores e leitores de FC&F com quem só travara conhecimento online.

Fiquem com o vídeo e cosultem o programa completo AQUI e aproveitem também para visitar o facebook oficial:

domingo, 27 de agosto de 2017

Mulheres Perigosas - divulgação

A Saída de Emergência prepara-se para lançar a antologia "Mulheres Perigosas", que eu já li em inglês (Dangerous Women). Podem ler a minha opinião sobre cada um dos contos AQUI.


Mas posso já dizer que recomendo a leitura. A antologia tem vários contos fabulosos, que merecem ser lidos, e é uma boa forma de conhecerem novos autores e revisitar outros.

Os meus contos favoritos foram os dos seguintes autores: Megan Abbot, Joe R. Lansdale, Brandon Sanderson e Caroline Spector.

Visitem o site da editora para fazer a pré-encomenda (tem oferta de outro livro).

Aviso: Para quem está a ler a série Dresden Files, aconselho-vos a terem cuidado porque o conto do autor nesta antologia tem mega-spoilers para os volumes mais recentes da série. 

terça-feira, 23 de maio de 2017

Fantasias Soltas

"Fantasias Soltas", de Joel Puga (Createspace)

Joel Puga escreve fantasia e terror já há vários anos, maioritariamente sob a forma de ficção curta. Já li outros trabalhos seus publicados em antologias, fanzines e na internet, por isso quando soube que ia lançar uma antologia de contos só seus, achei que estava mais que tempo de o revisitar.
Todos os contos incluídos neste volume já foram também publicados individualmente em ebook mas esta antologia está também disponível como livro físico, para os que ainda não estão bem ambientados com os ebooks.

Para começar vou falar da antologia como um todo e depois debruçar-me-ei um pouco sobre cada conto individualmente. No geral gostei bastante do ambiente sombrio e do facto de o autor escolher usar o território português ou ultramarino em quase todos. Em comum, entre a maioria das histórias, há quase que só o facto de serem fantasia, pois não existe um tema central. Isso, contudo, não é um ponto negativo.

Abaixo fica a minha opinião conto a conto:
"O Último"
Neste conto somos apresentados a um conceito muito interessante mas chegamos ao fim e não aconteceu nada de relevante. Os alicerces estão construídos mas pouco mais.

"Sasabonsam
 Uma escrita muito viva e uma história muito interessante. As personagens saltam das páginas e a acção está excelenete. Se não fosse aquele último parágrafo estava tudo óptimo.

"O Castelo"
Uma história que começa de forma amena mas que apanha o passo rapidamente. É bastante perturbante, tanto pelas traições como pelo desfecho.

"Susana"
 Este conto teria ganho muito em ser contado e não narrado pós-acontecimentos. A personagem perdeu muito com esta escolha narrativa e apesar da escrita ser bastante boa não teve o ritmo ou o impacto que seria desejável. Mesmo assim acaba por resultar, de certo modo.

"Uma Demanda Literária
Este conto eu já tinha lido na Fénix 2 (podem ler aqui) e a minha opinião mantem-se semelhante. Achei que as descrições da livrairia mística, em si, poderiam ter sido muito mais envolventes. O leitor não fica com a ideia de que se trata de algo de fenomenal. E mais uma vez o protagonista perde porque o que de interessante parece acontecer na sua vida é contado em tom de memória, e não vivido em primeira mão pelo leitor.

"A Saga de Eu, Justiça Divina"
O autor visita este 'mundo' em 3 contos distintos e vai construindo as suas regras aos bocados. A premissa aqui é muito interessante mas há no texto uma vertente de julgamento social que pode não agradar a todos os leitores. Mas sendo que se trata de uma das características do protagonista e da narrativa, eu acabei por me habituar.
O primeiro não me cativou muito, excepto pelo facto de nos mostrar este 'submundo'.
O segundo tem uma cena muito interessante no cemitério, mas o final é decepcionante porque quem acaba por resolver o problema em questão não é o protagonista e o leitor nem sabe ao certo o que aconteceu. 
O terceiro sofre um pouco do mesmo mal, sendo que a acção se passa fora das páginas mas neste conto o protagonista torna-se mais palpável e intrigante. Vale só por isso.

"Um Deus em Humaitá"
Adorei a mística desta história e a acção, a ambiguidade das personagens e como elas são punidas. O que faz com que o final tenha sido mais que apropriado. 

"Wendigo
A acção está soberba, com muito gore à mistura. Se não fosse o facto de título ser um spoiler, eu acho que teria funcionado ainda melhor. Penso que se a origem da figura tivesse permanecido um mistério seria mais interessante. 

"A Maldição da Ponte do Arco
Tal como "O castelo" (também nesta antologia), este conto é perturbante porque explora aquilo que as pessoas são capazes de fazer para protegerem aqueles que amam, mesmo quando isso resulta em algo de impensável. Foi um bom último conto para a a antologia, com uma prosa envolvente.

Sinopse:
Esta coleção reúne todos os contos já publicados de fantasia histórica e contemporânea da autoria de Joel Puga. Criaturas bizarras, espíritos malignos, ruínas fantásticas e cemitérios assustadores são apenas algumas das coisas que encontrarão nestas páginas.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Dia do Autor Português & da Biodiversidade

Hoje, 22 de Maio celebra-se o dia do Autor Português e também é o dia internacional da Biodiversidade!
Duas boas razões para divulgar as vossas opiniões e preferências.

O dia do Autor Português, tanto quanto sei, foi uma iniciativa da Sociedade Portuguesa de Autores, que comemora hoje 92 anos.
Nunca é demais recordar também que assim como devemos apreciar o trabalho e obra dos autores, também os devemos respeitar, e isso implica dar crédito, a quem de direito e, sempre que possível, comprar a obra ou assistir ao concerto ou visitar a exposição dos autores. E passem sempre a palavra porque aquilo que vos agrada a vocês, a muita gente também agradará.

No fundo, muitos são os grandes autores nacionais e muitos estão, certamente, ainda por ser descobertos. Quais são os vossos favoritos?


Quanto à biodiversidade, para todos os que apreciam a natureza, não há como ignorar as questões ambientais. Temos de fazer o que pudermos para preservar a natureza e a biodiverdade, tão afectada pela nossa expansão e exploração.
Com pequenos gestos podemos fazer toda a diferença. Coisas simples como: reciclar (e diminuir a produção de lixo, sempre que possível); não atirar lixo para o chão; respeitar a fauna e a flora quando visitamos parques e reservas; usar produtos biodegradáveis (sempre que possível); e fechar a torneira da água com mais frequência.
Estar atento ao que nos rodeia também ajuda. A maioria das Câmaras Municipais promove workshops, campanhas de sensibilização, realizam caminhadas pela natureza, e ajudam a divulgar o que cada município tem para oferecer e deve preservar.
Façam a vossa parte. :)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails